top of page
  • IECC

Dormir na cama dos pais é bom para os filhos?


Uma criança que não dorme bem, ou seja, que não concilia o sono na sua caminha, dá o mesmo trabalho que outro que não quer sentar-se à mesa ou que faz um escândalo para tomar banho.


Muitos pais cometem o erro, por vários motivos, não sempre justificáveis, de levar o bebê para sua cama. Segundo alguns especialistas em sono infantil, o bebê já deve ser colocado no seu berço desde o primeiro dia em casa, para evitar que se acostume a dormir com os pais.


Em determinadas situações, muito definidas, quando o bebê estiver doente e os pais se sentirem mais próximos, ou no meio da noite o bebê se desperte assustado, pode-se tolerar que a criança durma na cama dos seus pais, mas muito cuidado para que isso não se torne um hábito. As crianças são muito espertas e podem se aproveitar da situação. E para mudar o hábito custará muitíssimo.


A rotina é a melhor aliada para o sono infantil


Para que a criança não se acostume a dormir na cama dos seus pais, é necessário levá-la de volta à sua cama quantas vezes seja necessário, sem falar nem discutir. As crianças se comportam melhor quando identificam um modelo em que se possa confiar.


Ensiná-las a dormir sempre na mesma hora, em sua caminha, com ou seu ursinho ou mantinha, as ajudará a entender o que se espera delas. A rotina é o melhor nesses casos. Evitará situações de ansiedade, e de negociações desnecessárias.


Uma boa rotina na hora de dormir pode durar de 15 a 30 minutos. Entre o banho, mimos, limpeza dos dentes, os contos ou as músicas, orações, e o que ocorra, a criança seguramente conciliará o sono mais tranquilamente. Tente manter a rotina nos mesmos horários todos os dias. Assim estará educando o sono do seu filho.


É conveniente que o bebê ou a criança pequena durma sempre no mesmo lugar. A mudança de lugar, cama, etc., pode dificultar o desenvolvimento do seu modelo de dormir. No caso de pais separados, como não se pode compartilhar o mesmo lugar, é recomendável que se esforcem para manter a mesma rotina quanto aos horários e os costumes. Almofadas, mantas, e objetos de estimação similares, devem ser empregados na mesma hora. É necessária a mesma estrutura e rotina na hora de dormir.


Quando não é bom dormir com os pais


Para as crianças é uma maravilha dormir com seus pais. Mas se esse hábito se torna uma rotina, pode haver consequências não muito agradáveis. Dormir na cama dos pais geralmente está contra-indicado. É necessário ensinar às crianças noções de privacidade desde a idade mais pequena.


Quando ainda é um bebê, pode-se fazer algumas concessões, mas a partir dos 3 anos de idade, dormir com os pais, pode fazer com que a criança não desenvolva sua individualidade nem a segurança em si mesma. Pode-se converter-se em uma criança dependente e insegura.


Posso dormir aqui?


Muitas crianças sofrem à noite, com medos, o escuro, os imaginários 'monstros', etc. A criança deve aprender a superar seus medos com a ajuda dos pais. E nesta ajuda consiste em fazer com que a criança enfrente e não fuja da situação. Deve ter paciência, mas também muita firmeza e persistência.


Tudo é uma questão de tempo. Quando a criança sentir medo, é preferível que fique um pouco na sua cama para tranquilizá-la, do que levá-la para a cama dos pais.


Dormir no seu próprio quarto, para elas, é estar “longe” do papai e mamãe. É separar-se deles.

A hora de dormir é entendida por elas como a hora de separar-se dos pais, de seus irmãos, dos brinquedos, e de tudo o que poderia estar fazendo. Por esta razão é que a criança vai deitar-se sempre protestando. Por isso, como qualquer outra necessidade, o dormir só, também se aprende. O ideal é que entre os três e seis meses de idade, a criança já esteja dormindo sozinha ou com seus irmãos.


Para as crianças isso significa dar um passo na autonomia; para os pais é recuperar a intimidade. Superada esta primeira etapa, poderá aparecer outras coisas. Por exemplo: quando a criança já consegue sair do berço e caminhar. Esta outra etapa pode aparecer entre os 12 e 18 meses de idade. E aos quatro anos começarão a aceitar a “separação parcial” dos seus pais porque nesta idade já vão ao colégio, ou brincam na casa de amiguinhos.





Via Guia Infantil
13 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page