• IECC

Como lidar com a birra das crianças


O seu filho faz birras? Relaxe, ele está apenas se conhecendo!

Os dois anos das crianças, são, para quase todos os pais um teste de paciência, mas relaxe, se o seu filho faz birras, saiba que isso é normal. Ele está apenas se conhecendo.


Todos os pais querem o melhor para os filhos. E com “melhor”, querem normalmente dizer que sejam felizes, bem-sucedidos na vida, bondosos, altruístas, inteligentes, etc. Mas podemos realmente torná-los pessoas bem-sucedidas? Fazer com que se sintam felizes? Transformá-los em pessoas bondosas?


Adivinhou, não podemos. Aliás, nós pais podemos até contribuir, de forma não-intencional, para o contrário. Veja porquê:


Quando o bebê se torna uma criança de dois anos que já caminha, come e fala, as expectativas dos pais parecem sofrer uma mudança abrupta. A criança que chorava, acordava durante a noite, e tal era considerado “normal”, depara-se subitamente com uma data de regras que lhe são impostas: portar-se bem, ouvir, estar quieta e seguir regras.


O chorar interpretado como sinal de desconforto ou necessidade passa a ser visto como birra irracional, de desafio aos pais. A criança poderá dizer e fazer coisas que parecerão ilógicas e absurdas aos olhos dos adultos. Fazer escolhas estranhas que deixam os pais embaraçados e parecer totalmente fora de controle. As crianças nesta “idade das birras” são vistas geralmente como malcomportadas, que fazem birras por tudo e por nada.


A resposta dos pais a estes comportamentos da criança poderão ser corrigi-la demasiado, fazer com que pare o comportamento e mesmo criticá-la.


Na verdade, o que os pais estão a fazer, sem se aperceberem, é interferir com o processo de desenvolvimento que está a atravessar a sua criança de dois anos, de se explorar a si própria e explorar o complexo mundo à sua volta.


O problema é que por nos ser transmitida uma ideia pré-concebida sobre o que deve ser, e não ser, o comportamento da criança, acabamos por tentar moldá-la a essa imagem, privando-a das necessidades básicas que lhe permitirão conhecer-se e desenvolver-se de forma plena.


Estes comportamentos da criança podem ser interpretados de forma diferente e como tal, merecerem uma resposta diferente por parte dos pais. A criança poderá manifestar-se assim por ser a forma que lhe parece lógica, que faz sentido para explorar o que a rodeia e conhecer-se a si própria.


Ao interferir demasiado, ao tentar moldar a criança, os pais poderão estar a negar-lhe as bases fundamentais para crescer de forma saudável, desenvolver a curiosidade e motivação para a aprendizagem, adquirir competências emocionais e sociais para ser bem-sucedida na escola, fazer amigos e na vida em geral.


Então, qual o papel dos pais?


Em primeiro lugar, devem tentar perceber o sentido daqueles comportamentos aparentemente ilógicos e procurar orientar a criança para desenvolver comportamentos mais sociais.


Só assim, os pais darão ao seu filho a oportunidade de ser feliz. Também a ensinarão a ser confiante, sociável, curiosa e bem-adaptada. Desta forma a criança saberá aceitar os seus erros e lidar com as frustrações, em suma, ser bem-sucedida.


Para tal, há seis formas de interagir com a criança que a poderão ajudar:


  • Espelhar à criança uma sensação de segurança e de ordem relativa;

  • Ouvir a criança, em vez de estar constantemente a falar com ela e a dizer-lhe como deve agir;

  • Dar à criança a liberdade de brincar sozinha e de explorar o mundo à sua maneira;

  • Dar à criança a oportunidade de sentir dificuldades e falhar;

  • Observar e ouvir a criança pois só assim irá conhecê-la e saber as suas necessidades;

  • Estabelecer limites e proporcionar orientação à criança.


Via Mãe me Quer

32 visualizações

Acompanhe nosso trabalho

também pelas Redes Sociais

Fale Conosco

Tel: (31) 3363.3256

Email: iecc.adm@gmail.com

Endereço

R. Professor Milton Francisco, nº45, Bairro das Indústrias I - BH

© Copyright 2018 por Agência Concerta